Translate

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Silêncio

     
                                
Sinto falta do silêncio. Mas quando ele chega e estou só, isso me arrasa. E aí tudo faz falta: coisas que não vivi, lugares que ainda não fui, amigos  que deixei para trás, o instrumento que não aprendi a tocar... Quero asas! Correr para o futuro sem permissão, ver como é a velhice, se ainda há tempo para aventuras - sem solidão. Um novo emprego, será que dá?! Escolher, desde já, se quero viver no mar ou na montanha, isso é fundamental! Então reflito, como Martha M., e me lembro quantas vezes desisti sem nem tentar, e cogitei fugir com medo de enfrentar. Chorei quando era pra rir e sorri para não chorar. Bom, dizem que o tombo ajuda a levantar.
Apesar de tudo, continuo aqui, errando e aprendendo...



terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Quem disse que é fácil?


Que calor é esse? Para dizer a verdade, nem sei se gosto mais do calor ou do frio. Rio 40 graus, lá estava assim quando nasci para o mundo. Já louca por um ventilador! O último inverno aqui nos trópicos deixou saudades. Como era bom aquele friozinho a noite e cachecol de dia. Agora, com o verão a todo vapor, parece que estamos todos numa chaleira. Outono, cadê você? Não adianta, o jeito é se adaptar às mudanças. Faz algum tempo que não luto mais contra o vento, contra a natureza. O ser humano é que tem que se adaptar a ela. 

Só uma coisa não me adapto de jeito nenhum: à grosseria, violência de todo tipo e gente sem noção. Ah, são tempos difíceis... Tempo de carnaval, por exemplo, que deveria ser um momento só de alegrias, mas parece que a falta de educação e o desrespeito imperam. Será que é o mau exemplo de nossos políticos? Ou as pessoas  perderam mesmo a noção de limite... não sei. Ainda bem que não é a maioria, espero! Ainda assim, querendo ou não, temos um ano inteiro pela frente. Praticamente uma folha em branco, cheia de possibilidades, onde podemos mudar tudo ou simplesmente recomeçar. 

Começar mudando de casa, é tudo de bom. Com mais espaço, até as ideias fluem melhor, tudo tem seu lugar, tudo se encaixa. Claro, isso já estava na minha lista há muito tempo. Essas listas que eu adoro! Mas este ano resolvi diminuir consideravelmente isso, e fazer o que qualquer pessoa normal faria: ter uma agenda. Antes tarde que nunca!. Pelo menos, aqui no Brasil, dizem que o ano começa só depois do carnaval. Se for assim, perdi minhas referências, pois meu ano já começou faz tempo. Então, boa sorte a todos nós. Lembrando que a sorte depende do lugar onde você está, do tempo em que você vive, e principalmente de muita preparação. Quem disse que ia ser fácil?



terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Melhor voltar para meus livros...


Tem dias que você acorda com vontade de abraçar o mundo todo? É raro, mas acontece. Aquela outra fase de querer salvar o mundo já passou. Depois que a gente amadurece, percebe que essa ideia tresloucada é ridícula, além de impossível, assim como abraçar o mundo agora. Mas é o que me ocorre de vez em quando, essa "vontadinha", disfarçada de" santa", de querer abraçar o mundo inteiro com carinho. Depois passa ao longo do dia, depois de tanta poluição, do trânsito lento, do ônibus que não chega, do metrô que nunca existiu, do surto da febre amarela, do calor absurdo de verão, da festa ao lado até altas horas... Então, no dia seguinte eu acordo pronta para o crime! E o dia passa inexplicavelmente tranquilo, sem trânsito, sem festa ao lado, sem gritaria, clima mais ameno... Pronto, já é hora de agarrar de novo todas as esperanças. E os planos para o futuro começam a pipocar de novo, ao ponto de ter que agarrá-los com a mão e passar para o papel a fim de evitar uma fuga! E a vida segue assim. Aprendi a viver com vírgulas, diminuir consideravelmente os pontos finais e também aumentei as interrogações. Há muito nessa vida a ser esclarecido. Mas apesar disso eu acho esse mundo bem legal! E sou feliz. 
Ah, essas férias que não acabam...

                                       Melhor voltar para os meus livros...